Visitantes.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Inexistente.

                  Havia uma princesa
                  Dentre os candelabros enrijecidos
                  Pedindo para Deus
                  Um perdão inexpressivo.

                  Via além; Do alto da montanha
                  Seu destino já traçado
                  Sua vida entre montes
                  Seu mundo tão parado

                  Foi amante, prostituta, apaixonada
                  Naquela vida assombrosa
                  Em que o encanto tão sonhado
                  Não era mais nem cor de rosa;

                  Via dentre espelhos quebrados
                  O vai e vem de sua alma
                  E, dentro dos seus olhos
                  A pobreza não amada

                  Se pudesse gritar
                  Mas além gritaria
                  Transformaria a vida de fumaça
                  Em completa alegria

                  Mas, o tempo tão injusto passou
                  Como a vida passa em filme
                  Naqueles olhos tão sombrios
                  Um poder entristecido

                  Pedia a Deus; Um qualquer Deus
                  Para livrar-lhe da dor
                  E, no escuro da noite
                  Ajoelhou com fervor:

                  - Pai, grande pai, ajude-me
                  Não há nem mais força
                  Não há nem um sorriso
                  Nem um, nem outro.

                  Esbravejou, gritou, gemeu
                  Mas nada naquela redondeza
                  Logo, aconteceu.

                  Com lágrimas de sangue
                  Fechou os olhos
                  E, a princesa tão sonhadora
                  Logo, empalideceu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário